Psicóloga Carla Navarro Baltazar Feijoo

CRP 06/60596

 

Atendimento psicoterápico à crianças, adolescentes, adultos e terceira idade. Psicodiagnóstico, Psicoterapia, Orientação Vocacional, Ludoterapia, Coaching de Vida e de Carreira. 

 

Resultado de imagem para neurose

Neurose


O que é?

 

Na psicologia moderna, o termo "Neurose" é sinônimo de "Psiconeurose" ou "Distúrbio Neurótico", e se refere a qualquer transtorno mental que, embora cause tensão, não interfere com o pensamento racional ou com a capacidade funcional da pessoa. Essa é uma diferença importante em relação à Psicose, desordem mais severa.

 

Neuroses são quadros patológicos psicogênicos (ou seja, de origem psíquica), muitas vezes ligados a situações externas na vida do indivíduo, os quais provocam transtornos na área mental, física e/ou da personalidade. O que distingue a neurose da normalidade é:

 

 

  • A intensidade do comportamento;
  • A incapacidade do doente de resolver os conflitos internos e externos de maneira satisfatória.

Em outras palavras, Neurose é um quadro psiquiátrico que caracteriza-se por dificuldades de adaptação por parte do indivíduo, embora este seja capaz de trabalhar, estudar, envolver-se emocionalmente e estar bem entrosado com a realidade. Uma pessoa neurótica está permanentemente em conflitos psíquicos que a impedem de aproveitar a existência de forma prazerosa.

 

Subdivisões e Mecanismos de Defesa:

 

  • Neurose Obsessiva
  • Histeria


A neurose possui duas sub-divisões: a histeria e a neurose obsessiva. O mecanismo de defesa é o recalque ou repressão.

 

Na neurose, a manutenção do conteúdo problemático como segredo é o que chamamos recalque ou repressão. O paciente neurótico esconde de si mesmo o problema, o sintoma ou a dificuldade que o psicótico encontra fora de si. Ou seja, na neurose há uma cisão da psique. Alguns conteúdos ficam recalcados, escondidos, em segredo e causa sofrimento nos sintomas dos quais a pessoa reclama. 

 

Na histeria, a reclamação dá voltas e voltas sobre o problema. É como se pessoa nunca conseguisse chegar ao ponto sobre o qual quer falar mesmo. O seu desejo é sempre insatisfeito, como se a pessoa procurasse alguma coisa (seja um objeto, seja uma relação amorosa) para a satisfazer – mas nunca a satisfação aparece. A reclamação é sem fim.

 

Na neurose obsessiva, há também voltas e voltas ao redor do problema. Mas na neurose obsessiva o que notamos mais frequentemente é a tentativa de organização, de organizar as coisas ao redor para tentar não pensar no que é, realmente, o problema principal.


Interpretação Psicanalítica:

 

De acordo com a visão psicanalítica, as neuroses são fruto de tentativas ineficazes de lidar com conflitos e traumas inconscientes.

 

Tipos de Neuroses:

 

  • Neurose de Caráter: são os traços de caráter umas vezes como derivações de fases do desenvolvimento (caráter oral ou anal) e outras vezes como análogos de sistemas particulares (caráter histérico ou obsessivo). Os sinais da neurose de caráter são considerados como sendo intermediários entre traços normais de caráter e sintomas neuróticos. O termo não é o mais adequado, uma vez que pode incluir qualquer transtorno da personalidade e do comportamento.

 

  • Neurose de Compensação: são sintomas psiquiátricos induzidos, exacerbados ou prolongados devido a políticas sociais ou socioculturais. É diferente da "compensação" enquanto processo psicológico. Pode ocorrer entre vítimas de acidente que estão em litígio para conseguir compensação legal, veteranos de guerra que pedem pensões ligadas ao serviço e pacientes psiquiátricos que procuram benefícios por incapacidade junto ao seguro social. É frequente sobretudo em sociedades que têm seguros por acidentes, incapacidade e invalidez, pensões especiais para veteranos de guerra e indenizações para trabalhadores.

 

  • ​Neurose Depressiva: é a ausência de sintomas ou sinais de depressão endógena, devido a sua relação causal com uma determinada situação ou evento estressante e também pela sua ligação com um padrão de personalidade mal-adaptativo.

 

 

Classificação: 

 

Na nona edição da Classificação Internacional de Doenças (CID-9) havia uma categoria "Neuroses" de transtornos mentais própria. Com a publicação da décima edição (CID-10), em 1994, o termo passou a ser usado apenas descritivamente (e não mais "neuroses", mas "transtornos neuróticos") e não para todas as categorias que ele tradicionalmente designava. 

 

Segundo a CID-9, sob neurose entendem-se os seguintes grupos de transtornos mentais:

 

  • Transtornos fóbicos-ansiosos e outros transtornos de ansiedade;
  • Transtorno obsessivo-compulsivo
  • Transtorno dissociativo (de conversão)
  • Transtornos somatoformes
  • Distimia e determinados tipos de depressão
  • Neurastenia

Prevalência e Incidência:

 

A neurose geralmente tem início na infância e acompanha a pessoa por toda a vida, com grande indicação de Psicoterapia para o seu tratamento.

 

 

(Referencias Bibiográficas: Wikipédia, Site Significados, http://www.psicologiamsn.com)