Reflexões no Divã...

                           Dra. Carla Navarro Baltazar Feijoo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Tristeza? Sim, é minha!


Diva1.pngSe eu dissesse que acordei sem vontade para nada, que apoderou-se de mim uma enorme tristeza, que é difícil fazer coisas banais, mesmo sabendo que o dia está lindo, que os meus amigos continuam a gostar da minha presença, e que posso fazer aquilo que gosto, e que mesmo sabendo que tenho muitas coisas para fazer, como tomar ducha, fazer um pequeno almoço, sair para o trabalho, organizar a semana e marcar umas quantas reuniões, que a vida não pára e que não devo prestar atenção a esta enorme sensação de falta de energia, se eu disser que estou assim, o que você me diria?

Se eu disser que não me apetece conversar, nem sequer abrir a caixa de correio, nem colocar no lixo aquela casca de banana que permanece há dias na mesa da sala, como você reagiria?

Provavelmente diria para eu me animar, e que tristezas não pagam dívidas, para tomar um antidepressivo que provavelmente eu teria depressão. E também pediria para que eu não me sentisse assim porque existem pessoas em piores situações que eu (mesmo não sabendo nada a meu respeito), que eu aguento muito mais do que imagino, para rezar a deus, fazer Yoga, ir para um retiro espiritual...”

Nos dias atuais, a tristeza é olhada quase como uma “doença” intolerável e contagiosa, que é melhor repudiar, sintoma por sintoma. Falta de energia? Medicamento. Não expressou alegria, e sente-se prestes a rebentar? Isso não. Vá já ao seu médico.

A verdade é que eu lido bem com a minha tristeza, com a melancolia ou ligeiro abatimento e decepção. Quando fico triste, é normal, tudo está normal comigo. Porque ficar triste é um sentimento como outro qualquer, é tão legítimo como a alegria e o contentamento. Estar triste não é sinônimo de estar deprimido!

A depressão é na verdade muito incapacitante, detestável, ferozmente incisiva e complexa. Ficar triste é receber um conjunto de informação na forma de sensações corporais que nos alertam e fazem desviar a nossa atenção para nós próprios, para a frustração ou desapontamento, para a perda ou insucesso, é sentir o peso da vida num dia mais sombrio, por vezes, sem razão aparente.

As razões existirão, no entanto, é preferível saber que a tristeza é um estado que vem e que vai, que vai dando o ar da sua graça ao longo da vida, sempre disposta a alertar-nos para as ameaças, (pequenas ou grandes) sempre que se justifique. A tristeza é nossa aliada!

Por: Miguel Lucas