Reflexões no Divã...

                           Dra. Carla Navarro Baltazar Feijoo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

"Seja bem vindo.

Enfim, você chegou!

Respire fundo. Sorria.

Deixe suas preocupações de lado.

Receba o melhor que esse mundo tem a lhe oferecer.

Afinal de contas, você merece.

Entre, sinta-se em casa!

E conte comigo nesse processo de (re)descoberta!"

(Dra. Carla Navarro Baltazar Feijoo)

O Consultório

 

 

Que maravilha!

 

Depois de muito pensar, recuar, repensar… Movido(a) por razões conscientes e inconscientes, e após enfrentar seus medos, resistências, preconceitos e dragões... Você telefonou, marcou consulta. E chegou a um consultório de Psicologia.

Em uma área de poucos metros quadrados, encontra-se frente a frente com um(a) psicólogo(a) em duas poltronas absolutamente idênticas. O divã também está lá, com todo seu simbolismo, imponente, ameaçador, e ao mesmo tempo convidativo para as mais profundas - e secretas - reflexões. Onde sentar? A escolha fica a critério do estado emocional do(a) paciente naquele dia.

Nesse ambiente especialmente preparado, que para nós, psicólogos, recebe o nome de ”setting terapêutico”, é que ocorre a interação entre o paciente e o psicólogo. É nesse "setting" que o paciente relata os motivos que o levaram aquele local, onde se estabelece a empatia entre o paciente e o profissional, e definem-se as regras, o contrato de trabalho, horários, foco do trabalho, condições de pagamento, e principalmente a garantia de respeito, isenção de julgamento, e sigilo terapêutico.

 

 

 Nosso consultório localiza-se no tradicional bairro do Ipiranga, no Edifício Comercial Ipiranga One (Rua Bom Pastor, 2224, Sala 102), oferecendo ambiente acolhedor, aconchegante e com toda infra-estrutura disponível para que você se sinta à vontade e possa ressignificar a sua existência, reorganizar suas emoções, sentimentos, pensamentos, enfim, reinventar-se! 

 

Para sua maior comodidade, contamos com estacionamento terceirizado com manobristas à sua disposição.

 

Aguardo você! 

Dra. Carla Navarro Baltazar Feijoo

 

Protagonizando nosso "Livro da Vida"

 

 

 

 

 

 

Em meio à correria diária, desempenhamos – muitas vezes de forma inconsciente - o papel de protagonistas da nossa própria historia no Livro da Vida.


Nosso livro é único, e nele interagem a todo instante nosso passado, presente e futuro. Em suas páginas conciliamos amor, trabalho, relógio, família, estudo, amigos (ufa!), e a cada amanhecer somos desafiados a dar continuidade à nossa história… 

 

Com personagens peculiares e capítulos singulares, ora repletos de amor, dilemas, lembranças, cenas metafóricas; ora repletos de encontros, desencontros, reencontros, música, poesia, saudade, amizade, temos como pano de fundo cenários que fascinam e emocionam, cheios de idealizações, sonhos, desejos, idéias, frustrações, fatos, perguntas e respostas… Perguntas sem respostas…

 

Como protagonistas ou coadjuvantes, a qualquer instante podemos reeditar a nossa história e recolori-la com as mais belas nuances. É importante termos consciência desse nosso poder de ressignificarmos e transformarmos nosso aqui-agora.

 

Quando a tensão do nosso aparelho psíquico aumenta, contamos com a parceria do nosso sábio inconsciente, que através da linguagem corporal sinaliza o momento de pararmos, repensarmos, ressignificarmos, e resgatarmos os nossos mínimos pedaços, onde quer que tenhamos nos esquecido.

 

Depende exclusivamente de nós fazermos as pazes com a pessoa que já fomos algum dia, ou com a pessoa que queremos ser. E nada como o tempo, a paciência, e a motivação para ressignificarmos sentimentos, imagens, comportamentos, ou acontecimentos que nos atrapalham, a fim de nos tornarmos pessoas melhores a cada amanhecer!

 

Somos o que acreditamos e pensamos ser, e precisamos perceber que a felicidade está onde nós estamos, e não aonde costumamos colocá-la. Vocês já perceberam como, em alguns momentos, levamos pequenas coisas tão a sério que em um segundo corremos o risco de arruinarmos nossas vidas? 

 

Devemos nos lembrar que a vida não é uma emergência, e sim uma dádiva feita de escolhas. Pequenas, grandes, simples ou complexas, peculiares em relação aos prós e contras, e que sempre possuem 50% de chance de darem certo.

 

Bem, mas voltando ao Nosso Livro… Algumas páginas da nossa vida são cheias de surpresas. Há capítulos de alegrias, capítulos de tristezas… Há mistérios e fantasias, sofrimentos e decepções. Por isso, não rasgue páginas e nem pule capítulos. Não se apresse para descobrir os mistérios. Não perca as esperanças, pois muitos são os finais felizes.

 

E lembre-se do principal: no seu Livro da Vida, o principal autor é Você!!! 

​Dra. Carla Navarro Baltazar Feijoo​

 

 

 

 

 

"E agora, as cortinas se abrem nesse cenário onde cada um de nós deve estrear o espetáculo da nossa própria vida.

 

O show já vai começar, e você é a atração principal. A hora é agora…

 

Como será o seu espetáculo?"

 

 

 

Como funciona a Psicoterapia?

 

 

 

Na Psicoterapia de linha cognitivo-comportamental, as sessões são semanais (podendo ocorrer duas sessões por semana dependendo do caso), e a consulta possui a duração de 50 minutos, onde são utilizadas técnicas comportamentais e cognitivas em parceria com o paciente, a fim de levá-lo a reconhecer suas emoções e pensamentos, ressignificar experiências registradas como dolorosas, refletir sobre padrões de comportamentos, processos de auto-sabotagem e novas possibilidades de atuação. A estrutura do processo psicoterápico é a seguinte:


• Avaliação Psicodiagnóstica: processo que geralmente tem a duração de 06 a 08 sessões;


• Psicoterapia: inicia-se após a anamnese e definição de meta a ser trabalhada em conjunto com o paciente, nessa linha com intervenções focadas em técnicas de Terapia Cognitiva-Comportamental e Programação Neurolinguistica. É importante que as técnicas aprendidas continuem sendo treinadas em casa durante a semana, a fim de facilitar a reprogramação mental e mudança de hábitos e padrões comportamentais;


• Alta da Psicoterapia: o tempo total da psicoterapia varia de acordo com cada paciente, pois o cérebro aprende por repetição, e a reprogramação mental demanda tempo, recursos internos, esforço, motivação, e disciplina do mesmo.

Algumas sessões trabalham conteúdos mais profundos, por isso é necessário ter persistência. Ao longo das sessões, o paciente, seus amigos e familiares, perceberão gradualmente a mudança na forma como se percebe e percebe pessoas e acontecimentos ao seu redor, que compensarão todo esforço!

 

Conte comigo nesse processo!

                                                                                     

         Dra. Carla N. B. Feijoo    

 

                                                            

               

                     Dica! 
Embora os convênios médicos dificilmente incluam Psicólogos, a boa noticia é que desde 07.06.2010 graças à Resolução Normativa nº. 211 da ANS a Psicoterapia teve a cobertura ampliada. Com isso, você tem o direito de solicitar reembolso ao seu convênio de até 40 sessões por ano. Informe-se com a sua Operadora de Saúde!

                             

Atenção!

Todo transtorno emocional é passível de tratamento e mesmo para os que não têm “cura" pode-se chegar a um resultado bem satisfatório. Informe-se!​

 

 

 

Psicólogos podem atender amigos ou parentes?
 

            

 

Segundo o Conselho Regional de Psicologia, “A decisão pelo atendimento é do(a) Psicólogo(a), que considerará se o atendimento interferirá negativamente nos objetivos do serviço prestado, uma vez que não há nada na regulamentação que proíba especificamente o atendimento de familiares e/ou conhecidos(as)." Dessa forma, fica a critério do Psicólogo e de sua abordagem teórica.

 

De qualquer maneira, independentemente do vínculo de amizade, o profissional deverá analisar aspectos como o conhecimento prévio dessa pessoa, que pode influenciar na qualidade tanto do processo psicoterápico quanto de sua relação fora do consultório, na neutralidade do seu posicionamento, na credibilidade do paciente ao que ele pontuará, em como a psicoterapia afetará a relação de ambos fora do consultório, e em uma possível triagem do que o paciente falará por vergonha ou medo de ser criticado ou julgado.  

 

Vale a pena avaliar!

 

Dra. Carla Feijoo