Reflexões no Divã...

                           Dra. Carla Navarro Baltazar Feijoo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Episódio Maníaco

Mania é um distúrbio mental definido como um período distinto, durante o qual existe um humor anormal e persistentemente elevado, expansivo ou irritável. É característico, embora não exclusivo, do transtorno bipolar no qual os episódios maníacos alternam com episódios depressivos. Pode também ocorrer devido a intoxicação por drogas (especialmente estimulantes como cocaína ou metanfetamina) ou como efeitos imprevisíveis de medicamentos (especialmente Inibidor seletivo de recaptação de serotonina). Estima-se que pelo menos 5% da população mundial já tenham apresentado episódios maníacos.

Sinais e sintomas:

Durante um episódio maníaco, há uma elevação anormal e persistente do humor (euforia). A exaltação do humor é acompanhada por aumento nos níveis de energia, que resulta em hiperatividade, fala pressionada, e necessidade de sono diminuída. A atenção não consegue ser mantida, e há uma frequente distração acentuada. A autoestima é frequentemente aumentada com idéias grandiosas e extrema autoconfiança. A perda de inibições sociais pode resultar em um comportamento que é imprudente, temerário ou inadequado às circunstâncias, e fora do caráter.

Diagnóstico:

Esse diagnóstico só é dado a um episódio hipomaníaco ou maníaco isolado. Quando um indivíduo apresenta um ou mais episódios afetivos prévios de depressão nervosa, hipomaníaco, mania, ou quadro múltiplo, o diagnóstico passa a ser de transtorno bipolar.

Os principais sintomas desse transtorno sem sintomas psicóticos (F30.1) são:

  • Energia para atividades físicas e mentais aumentada;
  • Sentimento intenso de bem-estar e satisfação física e psíquica;
  • Aumento da sociabilidade e do desejo de falar, da familiaridade e/ou da energia sexual;
  • Redução da necessidade de sono;
  • Pensamento acelerado com fuga de ideias;
  • Irritabilidade e impaciência;
  • Aumento da agressividade;
  • Dificuldade em manter a atenção e concluir atividades;
  • Sexualidade exacerbada;
  • Ideias de grandeza e superestima;
  • Condutas racionalmente imprudentes ou inapropriadas;
  • Impulsividade e pouco autocontrole.

Pode ser acompanhado também de sintomas psicóticos (F30.2):
  • Alucinações (como ouvir vozes e sons ou sensações táteis falsas);
  • Fala rápida que pode se tornar incompreensível;

Diferente do episódio maníaco ou da fase maníaca do transtorno bipolar ou da ciclotimia, existem também outros transtornos considerados como manias, na concepção popular de compulsão, como a megalomania (um tipo de transtorno delirante de grandeza; amitomania, compulsão por mentir; a ninfomania, adicção ou compulsão por relações sexuais.

Tratamento:

O tratamento psiquiátrico geralmente é feito com sais de lítio ou com um estabilizante de humor. Caso existam sintomas de alucinação ou delírio pode ser usado também um neuroléptico. Essa medicação é eficaz em 48 a 70% dos casos. O estilo de tratamento psicológico depende da abordagem. A Terapia cognitivo-comportamental tem um perfil psicoeducativo de ajudar o indivíduo a ser mais produtivo, fazer um melhor planejamento e modificar crenças disfuncionais por crenças mais saudáveis. 

Segundo um estudo, o tratamento mais eficiente foi a Terapia cognitivo-comportamental somada a Olanzapina.

Fonte: Wikipédia