Reflexões no Divã...

                           Dra. Carla Navarro Baltazar Feijoo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Image result for demencia no idoso



Demências

O que é?
Demência é um comprometimento cognitivo geralmente progressivo e irreversível. As funções mentais anteriormente adquiridas são gradualmente perdidas. Com o aumento da idade, a demência torna-se mais freqüente.

Sintomas:

  • Alterações na memória, na linguagem, na capacidade de orientar-se;
  • Perturbações comportamentais como agitação, inquietação, andar a esmo, raiva, violência, gritos, desinibição sexual e social, impulsividade, alterações do sono, pensamento ilógico e alucinações.

Prevalência e Incidência:
A Demência acomete 5 a 15% das pessoas com mais de 65 anos e aumenta para 20% nas pessoas com mais de 80 anos.

Fatores de Risco: 
Os fatores de risco conhecidos para a demência são:
  • Idade avançada;
  • História de demência na família;
  • Sexo feminino

Causas: 
As causas de demência incluem:
  • Lesões e tumores cerebrais, 
  • Síndrome da imunodeficiência adquirida (AIDS), 
  • Álcool, 
  • Medicamentos, 
  • Infecções, 
  • Doenças pulmonares crônicas
  • Doenças inflamatórias. 
Na maioria das vezes as demências são causadas por doenças degenerativas primárias do sistema nervoso central (SNC) e por doença vascular. Cerca de 10 a 15% dos pacientes com sintomas de demência apresentam condições tratáveis como doenças sistêmicas (doenças cardíacas, renais, endócrinas), deficiências vitamínicas, uso de medicamentos e outras doenças psiquiátricas (depressão).

Classificação: 
As demências são classificadas em vários tipos de acordo com o quadro clínico, entretanto as mais comuns são:
  • Demência tipo Alzheimer
  • Demência Vascular.

Demência tipo Alzheimer:
  • Tipo mais comum de demência: 50 a 60% dos pacientes têm demência tipo Alzheimer;
  • É mais freqüente em mulheres que em homens;
  • É caracterizada por um início gradual e pelo declínio progressivo das funções cognitivas. A memória é a função cognitiva mais afetada, mas a linguagem e noção de orientação do indivíduo também são afetadas. Inicialmente, a pessoa pode apresentar uma incapacidade para aprender e evocar novas informações;
  • As alterações do comportamento envolvem depressão, obsessão (pensamento, sentimento, idéia ou sensação intrusiva e persistente) e desconfianças, surtos de raiva com risco de atos violentos. A desorientação leva a pessoa a andar sem rumo podendo ser encontrada longe de casa em uma condição de total confusão. Aparecem também alterações neurológicas como problemas na marcha, na fala, no desempenhar uma função motora e na compreensão do que lhe é falado;
  • O diagnóstico é feito com base na história do paciente e do exame clínico. As técnicas de imagem cerebral como tomografia computadorizada e ressonância magnética podem ser úteis. O diagnóstico é de exclusão, isto é, só pode ser feito quando não se encontra nenhuma outra causa. A rigor, tal diagnóstico só é realizado pós-morten, através de biópsia cerebral, na qual aparecem alguns sinais característicos e exclusivos da doença. A história do paciente e exame clínico, além das técnicas de imagem cerebral como tomografia computadorizada e ressonância magnética podem ser úteis no diagnóstico clínico;
  • O tratamento é paliativo e as medicações podem ser úteis para o manejo da agitação e das perturbações comportamentais. Não há prevenção ou cura conhecidas.

Demência vascular:
  • Segundo tipo mais comum de demência;
  • Apresenta as mesmas características da demência tipo Alzheimer, mas com um início abrupto e um curso gradualmente deteriorante;
  • Pode ser prevenida através da redução de fatores de risco como hipertensão, diabete, tabagismo e arritmias;
  • O diagnóstico pode ser confirmado por técnicas de imagem cerebral e fluxo sangüíneo cerebral.

Fonte: Dra. Alice Sibile Koch e 
Dra. Dayane Diomário da Rosa